segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Este anda a ver se o PSD lhe volta a dar um tachinho de deputado!

Que interessante é comparar este dois blogues:

Estado Sentido Pedro Quartin Graça ex-PPM, ex-deputado à AR pelo PSD, dirigente do MPT, que se andou a oferecer a vários partidos para voltar a ser deputado e que exigiu para haver uma coligação entre o MPT, a Nova Democracia, o MEP e o MMS que fosse ele o cabeça-de-lista em Lisboa.

Coelho à Lupa
Blogue anónimo ao serviço do regime jardinista.

E, já agora, uma pergunta: Porque é que nunca ouvimos, nem o Sr. Coelho nem o PND, falarem mal dos Grandes Barões da Madeira, os famosos Blandy, o Pestana ou mesmo o Berardo. Alguém sabe responder a isto?

Porque é que nunca ouvimos, nem o Sr. Coelho nem o PND, falarem mal dos Grandes Barões da Madeira. Por exemplo: os Blandy, o Pestana ou mesmo o Berardo. Alguém sabe responder-me a isto?

um deputado que, em 1028 dias de mandato na Assembleia Regional, cometeu a proeza de apresentar apenas uma proposta legislativa: a construção de uma estátua de AJJ, com 50 metros de altura e escada interior...

Em todo este tempo que está representado na Assembleia Regional, o PND apresentou apenas uma proposta legislativa: a construção de uma estátua de AJJ, com 50 metros de altura e escada interior

FACE A ISTO SÓ SE PODE CONCLUIR, OU O SR QUARTIN É UM DOS AUTORES ANÓNIMOS DO BLOGUE COELHO Á LUPA OU AINDA PIOR, NÃO PASSA DE UM RELES PLAGIADOR!

PÉROLAS A PORCOS....


Os direitos merecidos por oposição aos “direitos adquiridos” – Há direitos inatos: que nascem com os homens e são invioláveis. Em contrapartida, não há direitos adquiridos, mas direitos merecidos, direitos que todos os dias se jogam, com esforço e empenho e se ganham enquanto se merecem, se perdem quando se deixaram de merecer;

domingo, 30 de janeiro de 2011

SE FOR BURRO, O COELHO MUDA....

Se trocar quem sempre o acarinhou por quem sempre o desprezou... até ter 190.000 votos.

Se trocar quem o recebeu quando apareceu no Garajau a queixar-se de agressão e o apoiou por quem nunca o defendeu.

Se trocar quem delineou uma estratégia de oposição a AJJ que tem tido sucessivos e cada vez maiores êxitos, por quem tem desbaratado sucessivamente o capital de liderança da oposição na Madeira.

Se trocar quem apoiou física e materialmente a sua candidatura à presidência por quem apoiou outro e depois da banhada que levou, o veio bajular.

Se trocar quem lhe deu alento e o defendeu quando foi ilegalmente expulso da ALRM por um partido onde houve quem defendesse que o problema se resolvia com a expulsão de José Manuel Coelho (um tal de Fernão Freitas).

Se trocar quem tem lutado contra a asfixia do jardinismo à oposição nomeadamente contestando a atribuição de 2 minutos para falar na Assembleia por quem (João Carlos Gouveia) em entrevista ao Tribuna em 2008 defendeu para os Partidos com menos votação o fim do financiamento público e a eliminação dos tempos de antena, bem como uma nova redução do número de Deputados de forma a que só existissem 2 partidos.

sábado, 29 de janeiro de 2011

PS-M: NÃO TÊM EMENDA!

Os dirigentes do PS são os principais responsáveis pela manutenção do jardinismo. (E a melhor prova disto é o destaque que o pasquim oficial tem dado às baboseiras proferidas nos últimos dias...)

Foram incapazes de ao longo dos anos fazer uma verdadeira oposição a AJJ.

Apoiaram nas presidenciais um candidato que teve na Madeira uma votação miserável.

Depois disto, têm a lata de tentar ressuscitar uma coisa chamada Plataforma Democrática, que lançaram há alguns meses e mataram logo nos meses seguintes por inanição. Recusaram sistematicamente todas as tentativas de acção política nesse quadro.

Em atitude de perfeito arrivismo político, vieram depois das presidenciais tentar capitalizar a votação de José Manuel Coelho e ressuscitar o que mataram ao longo dos últimos meses.

E agora andam em sucessivas declarações deseperadas a tentar torpedear quem tem tido êxito na luta contra AJJ.

A conclusão só pode ser uma: Este PS está refém do jardinismo e faz tudo para o perpetuar no poder!

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A MEXER....

Este já caíu!


Este, está quase!


E a seguir, vai este!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DO PARTIDO NOVA DEMOCRACIA




Declaração de Princípios



O PND defende, como princípios básicos orientadores da sua acção política, e por esta ordem, o Homem, a Nação e o Estado.

O Homem - o homem concreto e não um Homem abstracto que nunca existiu, a não ser nas utopias de Esquerda ou de Direita – entendido como o princípio referencial, alfa e ómega, princípio e fim do pensamento e da acção política. Este homem concreto representa um feixe de valores, mas também de direitos essenciais e liberdades concretas que ultrapassam, em muito, os direitos, na generalidade menores, que a nossa Constituição garante.

A Nação, entendida como o mais próximo quadro de referência à acção do Homem, entidade mediadora, facilitadora e integradora do seu desenvolvimento e da sua acção. Por nação entende o PND uma comunidade de sangue, de terra, de bens e de destino, reunindo os homens que, entre si, possuem vínculos históricos, culturais e linguísticos, aberta ao mundo, à competição e ao futuro.

O Estado, entendido como realidade instrumental ao serviço do homem, desde logo, e da nação como comunidade de homens, em seguida, mas um Estado mínimo, ágil e forte, indiscutível nas suas funções soberanas de arbitragem e de regulação; um modelo de Estado que, no essencial, funcione como árbitro entre os cidadãos, cumpra as funções, e só essas, que os cidadãos não possam cumprir na esfera privada, apoie, permitindo uma vida digna, os cidadãos que, de facto, necessitam de apoio e que, acima de tudo, funcione como elemento libertador e potenciador das energias e da capacidade de iniciativa dos cidadãos, ajudando a abrir-lhes espaço, e tempo, num mundo cada vez mais global e competitivo.

II

Desses três princípios gerais, sobre os quais assenta toda a arquitectura do programa de acção política do PND, decorrem vários princípios subsidiários, mas também eles relevantes para esse programa de acção política. Assim:

O homem concreto que o PND coloca no centro da sua acção representa, como se disse, um
feixe de valores, mas também de direitos essenciais e liberdades concretas. Desses valores colocam-se, para o PND, como pedras angulares:

A Exigência consigo próprio e com os outros, por oposição à desculpabilização como filosofia de vida. O deixa-andar e a complacência são a receita básica de criação do pântano;

A Responsabilidade individual por oposição a uma mística responsabilidade colectiva;

O equilíbrio entre Direitos e Deveres por oposição a uma generalizada concepção do mundo em que os direitos são” meus” e os deveres do” outro”. Uma relação comunitária pressupõe um balanceamento recíproco de direitos e deveres;

Os direitos merecidos por oposição aos “direitos adquiridos” – Há direitos inatos: que nascem com os homens e são invioláveis. Em contrapartida, não há direitos adquiridos, mas direitos merecidos, direitos que todos os dias se jogam, com esforço e empenho e se ganham enquanto se merecem, se perdem quando se deixaram de merecer;

A convicção da validade dos padrões consensuais contra o relativismo ético que está na base da pós-modernidade: A Lei e um certo consenso ético que estruturam uma sociedade democrática moderna, são padrões válidos pelos quais terão de ser aferidos e julgados os comportamentos individuais.


Dos direitos, são para o PND indiscutíveis e inegociáveis:

                        O Direito à Liberdade como pedra angular dos Direitos Fundamentais. O homem tem o direito fundamental de ser livre. Livre de escolher o seu presente e o seu futuro; livre de ser desigual, contra a tirania das ideologias igualitárias; como livre de dispor de si, ou dos seus bens, da forma que melhor lhe aprouver; livre de exigir ao Estado, a qualquer Estado, que não pretenda saber, melhor do que ele próprio, aquilo que a si mais lhe convém;

                        O Direito fundamental da Propriedade Privada: Recolocar, no lugar que em tempos já teve, o princípio inviolável da propriedade privada, que se tem vindo a degradar ao longo dos anos, todos os dias minado pela sobrevivência cultural e sociológica do marxismo;

                        O Direito fundamental da Liberdade Contratual: Recolocar no âmago do Direito o princípio inviolável da liberdade de contratar. Cada um deve ser livre de contratar o que quiser, com quem quiser e da forma que quiser. Esta é uma condição essencial da liberdade, no sentido da possibilidade de cada um dispor de si próprio – e de tudo o que é seu – como muito bem entender.

                        O Direito dos cidadãos à presunção de boa-fé. Há que adoptar a premissa de que os cidadãos, até prova em contrário, agem de boa-fé. Com a óbvia contrapartida de que, provado não ser esse o caso, dever a punição ser exemplar, para que possa ser verdadeiramente dissuasória.

                        O Princípio dos direitos simétricos à Igualdade e à Diferença entre os homens. Os homens nascem iguais em direitos e deveres, diferentes e diversos em tudo o mais. É nesse direito à igualdade – e no concomitante direito à diferença – que se alicerça a sua dignidade humana. Iguais em dignidade, os homens são diferentes. E é essa diferença dos homens entre si que se encontra na base da evolução e do progresso. A diferença entre os homens é o motor da História.

No que ao Estado respeita, o PND entende que a sua acção deverá ser orientada pelos princípios que se seguem:

                        Princípio do equilíbrio entre a boa gestão e a solidariedade: Qualquer comunidade haverá de se fundar em dois princípios essenciais à sua sustentabilidade: a óptima gestão dos recursos comuns e a solidariedade entre os seus membros;

                        Princípio do Interesse Geral, contra os interesses corporativos: Ao Estado cumpre zelar pelo interesse geral, não pelos interesses particulares de grupos, quaisquer que eles sejam, e seja qual for a sua representatividade social, política ou económica, ou a sua capacidade de pressão. O Estado existe para garantir igualdade de deveres e de direitos entre os cidadãos;

                        Princípio da prioridade absoluta às funções soberanas no Orçamento Geral do Estado: Defende-se, por oposição à actual realidade, a prioridade absoluta da dotação orçamental claramente suficiente para os ministérios que encarnam as funções soberanas do Estado. Nenhuma das funções soberanas poderá ser deficientemente prestada alegando falta de recursos financeiros. O Orçamento do Estado deverá contemplar todas, mas todas, as necessidades do Estado no que respeita ao cabal cumprimento dessas funções;

                        Princípio da distinção clara e da hierarquização entre as funções do Estado, ou seja, entre as funções soberanas e as funções reguladoras e supletivas;

                        Princípio de regresso do Estado Social ao Estado Arbitral, pelo afastamento decidido do modelo do Estado Social e do regresso ao Estado Arbitral;

                        Princípio da subsidiariedade, aplicado a duas ordens diferentes, mas complementares por um lado, delimitando a esfera privada e a do Estado, não devendo o Estado assumir competências e tarefas que possam ser desempenhadas na esfera privada; por outro lado, distinguindo entre os diferentes níveis da esfera pública, estatuído que nenhuma tarefa deverá competir a um nível superior se essa tarefa puder ser desempenhada a um nível inferior.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Uma semana antes da votação....


Sondagem efectuada cerca de uma semana antes das eleições presidenciais já dá 2,1% dos votos a José Manuel Coelho!

Um aumento de 0,5% em relação à anterior e um resultado que será o maior número de votos jamais alcançado por um madeirense, ultrapassando largamente a maior votação de Jardim. (e isto extrapolando apenas o resultado da sondagem efectuada exclusivamente no continente, sem ter em conta que a votação na Madeira vai ser bem superior)

domingo, 2 de janeiro de 2011

JOSÉ MANUEL COELHO FIGURA REGIONAL DE 2010

José Manuel Coelho foi escolhido (com todo o mérito) pelos leitores do Diário de Notícias da Madeira como figura regional de 2010



Eis os resultados finais da votação:

Sondagem DIÁRIO Qual é a figura regional de 2010?


José Manuel Coelho 43%

Raimundo Quintal 28%

Alberto João Jardim 16%

Bernardo Sousa 6%

Edgar Silva 3%

Jorge Sá 2%

Almada Cardoso 2%
 
Free counter and web stats
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!