quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Coelho exige debates com todos os candidatos

Protesto segue para a Comissão Nacional de Eleições

José Manuel Coelho vai enviar uma queixa à Comissão Nacional de Eleições, exigindo que os debates televisivos com os candidatos presidenciais sejam reformulados, passando a contar consigo. Esta tarde, em conferência de imprensa, o deputado do PND que viu aceite a sua candidatura presidencial aceite, acusou as estações de televisão nacionais de estarem "feitas com os candidatos do sistema" que realizaram "debates em família".

Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

As várias candidaturas só foram confirmadas hoje, pelo Tribunal Constitucional, pelo que não compreende qual foi o critério para a calendiarização dos debates. "Quero debater com todos os candidatos do regime", afirma.

Coelho garante que a sua candidatura é "para ir até ao fim" e até admite chegar a uma "segunda volta". Todos os outros candidatos, garante, "estão feitos" com os políticos que "roubaram" o País ao longo das últimas décadas.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

CANDIDATURA ANTI-SISTEMA ESTÁ FORMALIZADA


Este grupo de estraga-prazeres, foi hoje da Madeira a Lisboa romper o arranjinho dos candidatos presidenciais do sistema, apresentando a candidatura que faz a diferença na oposição ao status-quo!

Na foto: Gil Canha, Baltasar Aguiar, o candidato José Manuel Coelho e o mandatário Márcio Amaro

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

ESTÃO A FICAR NERVOSOS....

Como se pode ler hoje na folha paga pelos contribuintes portugueses, os chulos do sistema começam a ficar nervosos com a candidatura presidencial de José Manuel Coelho.

E como habitual nesta gentalha, bufam, tentando assim pressionar as pessoas!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

TUDO NA MESMA, ATÉ À PRÓXIMA CATÁSTROFE!

Mais umas chuvadas e tudo de coração na boca!

Tudo na mesma, sem que os governantes tomem medidas de fundo. As ribeiras continuam com estrangulamentos por todo o lado com ocupação dos leitos de cheia e no Funchal nem sequer se faz a limpeza dos sistemas de drenagem quando são anunciados alertas de mau tempo.

E depois, vão dizer mais uma vez que é maré de azar!

sábado, 13 de novembro de 2010

NÃO VALE A PENA...

Não vale a pena os habituais profissionais da coisa, sejam eles Almadas, Fonsecas, Quintinos ou outros tentarem armar confusão.

A candidatura de José Manuel Coelho está imparável e todas estas reacções só mostram o medo que alguns têm da sua cada vez maior popularidade!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

CONSEQUÊNCIA

Jornalista do DIÁRIO agredido pelo presidente do Marítimo


Um jornalista do DIÁRIO foi agredido pelo presidente do Marítimo, quando fazia a cobertura jornalística do treino matinal no Complexo Desportivo em Santo António.


CAUSA

Jardim instiga maritimistas a se revoltarem contra o DIÁRIO


Presidente do Governo falava perante uma plateia maioritariamente composta por crianças da pré e 1º Ciclo

domingo, 7 de novembro de 2010

UMA LENTA AGONIA no DELITO DE OPINIÃO

A simpático convite do Pedro Correia, escrevi como convidado o seguinte artigo na passada quinta no Delito de Opinião:

Uma lenta agonia

É esta a situação vivida por larguíssimos milhares de portugueses que vão “vivendo” a vida dia-a-dia sem quaisquer perspectivas de futuro.

Os empresários sem saberem se no dia seguinte vão conseguir honrar os seus compromissos nas empresas que detêm, os trabalhadores sem saberem se ainda vão ter emprego, se vão ter dinheiro suficiente para pagar a prestação ou a renda da casa, restringindo cada vez mais as suas despesas; muitos sem saberem sequer se vão conseguir ter dinheiro para dar de comer à família.

E milhares e milhares que já chegaram a um ponto de desespero e desânimo total. Mais de 600.000 desempregados, grande parte de cada vez mais longa duração e sem subsídio de desemprego, mais algumas centenas de milhares reformados a receber duas ou três centenas de euros por mês que têm de dar para comer e para os remédios... (um parêntese apenas para frisar que triste país este que trata os seus anciães da forma que vemos).

Continue a ler aqui

A PERGUNTA QUE SE IMPÕE:

QUE FELICIDADE TEM TRAZIDO O SR. SILVA?

É o principal responsável pelas desastrosas políticas económicas do país nos últimos 30 anos.

É o culpado pela paz podre que levou à situação em que estamos. Com a treta da estabilidade, objectivamente foi um dos maiores apoiantes de Sócrates e permitiu a sua manutenção para lá do razoável.

O país precisa de homens com coragem e convicções. Cavaco demonstrou várias vezes, a última das quais com o célebre "não veto porque seria inútil" não as ter.

Querem mais do mesmo, manutenção do satatus quo? Votem nele!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

LIMITE DE IDADE OU INCAPACIDADE

Para o comum português são estas as razões para reforma.

Foram os ladrões que nos têm governado nos últimos anos que inventaram reformas ao fim de poucos anos. Por isso não vejo qualquer razão para tanto incómodo:

Jardim diz que Estado é "ladrão"

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

EU APOIO JOSÉ MANUEL COELHO


Não posso deixar de dar o meu apoio a José Manuel Coelho como candidato à Presidência da República porque:


Faz parte do restrito grupo de madeirenses que afronta o poder absoluto de Alberto João Jardim, não tendo medo das perseguições que são feitas na Madeira a quem tal ousa;

Não tem apego a cargos, exercendo-os apenas para defender os legítimos interesses do povo, custe a quem custar;

É um candidato anti-sistema e Portugal necessita de se livrar urgentemente daqueles que assolam a vida política portuguesa ininterruptamente há 20 ou 30 anos;

A sua prioridade são as pessoas e o seu bem-estar;

Candidata-se contra a corrupção e o amiguismo, males que têm vindo a crescer assustadoramente em Portugal;

É um Homem de convicções - de certeza que não promulgaria uma lei com que não concorde mesmo que ache que ela voltará a ser aprovada;

É um inconformista que vai contra o discurso de derrota que muitos proferem;

Por fim, com ele, a SERIEDADE NA POLÍTICA é possível.

Por estas e muitas outras razões que seria fastidioso estar a enumerar, não posso deixar de apoiar a sua candidatura!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

BASTA DE PASTÉIS, COELHO A BELÉM!


Deputado do PND na Madeira candidata-se à Presidência da República

O deputado do PND na Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Coelho, apresenta amanhã a sua candidatura à Presidência da República.

Com a devida vénia ao Público

O anúncio da candidatura será feito no Mercado dos Lavradores, no Funchal, em cerimónia que marca o início da recolha da assinatura dos necessários 7500 proponentes. Com lema “Basta de pastéis, Coelho a Belém”, tem como objectivo e programa eleitoral “denunciar e combater a corrupção, eliminar regalias da classe política e moralizar a justiça”, afirmou Coelho ao PÚBLICO.

“O povo já está farto dos ´pastéis´ que lhe têm indisposto a vida, dos cinzentões e situacionistas” justifica o deputado que ostentou um relógio de cozinha no parlamento madeirense em protesto pela redução dos tempos de intervenção e dos direitos da oposição regional, imposta pelo PSD na quarta alteração do regimento feita numa só sessão legislativa. Também ficou conhecido por exibir num plenário a bandeira nazi, com ela conotando a maioria social-democrata e a governação de Alberto João Jardim, tendo por isso sido expulso do hemiciclo e impedido de entrar na assembleia.

Gorada a hipótese de Jardim apresentar uma candidatura a Belém, alvitrada por Marcelo Rebelo de Sousa num congresso do PSD e posteriormente admitida pelo próprio governante insular, o deputado do PND é o primeiro madeirense a candidatar-se à Presidência da República. Este cargo foi exercido por dois açorianos, Manuel de Arriaga e Teófilo Braga, depois do derrube da monarquia há 100 anos.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

JORNALISMO E REFLEXÃO

A não perder o artigo de hoje do Luis Filipe Malheiro no ilegal Jornal da Madeira, com críticas a Jaime Ramos, director do Madeira Livre!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

MAIS UMA VEZ...

É azar, porque estes senhores são muito competentes!



E oito meses são muito pouco tempo para fazer seja o que for...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

PND interpõe acção no Tribunal Administrativo contra novo Savoy


Novo hotel vai descaracterizar a paisagem urbana do Funchal, justifica Gil Canha

Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

O Partido da Nova Democracia (PND), pela voz de Gil Canha, vereador na Câmara Municipal do Funchal, revelou esta tarde ter interposto uma acção junto do Tribunal Administrativo contra construção do novo hotel Savoy.

Gil Canha considera que o projecto "tem uma volumetria que é um verdadeiro atentado à nossa paisagem e que irá descaracterizar toda aquela zona".

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

"QUANDO A DITADURA É UM FACTO A REVOLUÇÃO É UM DEVER"...AMADEU PRADO

Pois é! "Um ourives das palavras" é decerto um dos melhores livros de sempre... O estudo da obra de Amadeu Inácio de Almeida Prado deveria ser obrigatório nos liceus portugueses...

E os comentários (quanto mais não seja moderados como aqui) em blogues também!

UM HOTEL PARA AMERICANOS!


Finalmente o Funchal vai ter um hotel como os americanos gostam!

Vai ser um êxito! Principalmente se todos os cerca de 4.650 (2009) ou 8.000 (2008) americanos que visitam anualmente a Madeira como turistas se instalarem lá!

As autoridades madeirenses estão mais uma vez de parabéns por fomentarem mais este investimento de largo futuro, só comparável decerto ao magnífico resort de Porto Santo que dá pelo nome de Colombo Resort!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

PS PERDEU OPORTUNIDADE

Ontem, o PS-Madeira podia ter organizado uma festa com a presença do líder nacional José Sócrates

Desta vez seria difícil Sócrates dizer que não podia ir...

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

O COMBATE A INCÊNDIOS DO GOVERNO REGIONAL DA MADEIRA

Há quase dois anos falava aqui sobre o escândalo do helicoptero subsidiado pelo governo da Madeira:

a HeliAtlantis continuará a usufruir de um subsídio do Governo Regional o qual, e segundo conseguimos apurar, ronda os milhares de euros. Os “serviços de vigilância” efectuados pelo helicóptero foram, noutros tempos, alvo de fortes críticas pelo facto de o aparelho, supostamente, não ter efectuado os devidos serviços, nomeadamente, no combate aos incêndios, apesar das verbas atribuídas, pelo Governo Regional, visarem essa função.

Resolução n.° 1262/98


Considerando que, para a execução das atribuições do Governo Regional e no âmbito das competências de diversas Secretarias Regionais, surgiu a necessidade de dispôr de um meio aéreo, com~ meio ideal para a realização de determinadas tarefas, designadamente, vigilância das serras, incluindo a prevenção, detecção e combate de incêndios, vigilância da costa marítima da Madeira e Porto Santo, apoio à Protecção Civil, serviços do Parque Natural da Madeira incluíndo Ilhas Desertas, entre outras; ."

domingo, 29 de agosto de 2010

PLATAFORMA DEMOCRÁTICA?

Pois, pois, basta ver esta votação na ALM no fim de Julho:

ALM rejeita levantamento de imunidade a Miguel Mendonça

Os votos 'não' foram superiores ao número de deputados da maioria presentes, o que permite supor que alguns deputados da oposição, como já acontecera na comissão de regimento e mandatos, também rejeitaram o levantamento da imunidade do presidente da ALM.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

ESTRANHO?

Para Alberto João Jardim, "é muito estranho cair uma palmeira no meio de um comício do PSD".

Muito mesmo!

Quase tanto como:

. Permitir construir no leito de ribeiras

. Não haver prevenção de incêndios

. Autorizar mamarrachos de 16 andares no Funchal

. Ter projectos megalómanos de construção de teleféricos no Rabaçal

. Gastar milhões e milhões de euros em estádios de futebol e muros de suporte, enquanto o desemprego na região trepa assustadoramente

terça-feira, 24 de agosto de 2010

MAIS UMA VEZ A CULPA VAI MORRER SOLTEIRA

Se tivesse um pingo de vergonha na cara o sr. Roberto Silva já se tinha demitido de presidente da Câmara Municipal do Porto Santo. Mas estamos na Madeira, onde a lata dos que governam é infinita e o desprezo por quem critica construtivamente é a norma.


10 de Julho de 2010 - Diário de Notícias da Madeira


Na cidade Porto Santo

Quem é que garante a segurança dos cidadãos?



.Palmeira ameaça tombar no Largo das Palmeiras

Ninguém parece dar muita importância ao assunto. E a cada ano a situação agrava-se, sem que se vislumbre um gesto por parte das entidades no sentido de salvaguardar a segurança dos cidadãos. Num dos locais mais movimentados da cidade, no Largo das Palmeiras, uma das palmeiras está como a imagem documenta. E na ausência de uma avaliação do risco de queda, os testemunhos de quem frequenta aquele espaço não deixa margem para dúvidas: "Nos últimos anos a inclinação agravou-se mais de meio metro". Embora as palmeiras sejam resistentes, os que diariamente usam aqueles bancos do largo não têm muitas dúvidas. "Aquela palmeira um dia destes vai abaixo". E quando isso acontecer questionam a quem se deverá pedir responsabilidades.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O REI DA MADEIRA NOVA - Jardim insulta jornalista após queda de palmeira

Visivelmente transtornado após a queda de uma palmeira de grande porte sobre uma multidão em Porto Santo, o líder do governo regional da Madeira abandonou o comício da rentrée do PSD-Madeira sem discursar e insultou a jornalista do SOL

Por Graça Rosendo

«Não tenho informações. E você, tem informações?». De dedo em riste, Alberto João Jardim recusava desta forma comentar o acidente que feriu três pessoas e pôs termo, este domingo, ao comício do PSD-Madeira em Porto Santo. Exaltado, preferiu disparar contra «os bufos».

«Vocês são uns bufos, escreva aí, vocês, essa corporação, são uns bufos. Mas vão acabar no desemprego», afirmou, antes de exigir a expulsão da jornalista do SOL: «Quero esta gaja fora daqui já».

«P***, vai tomar banho», gritaram os militantes que ladeavam o líder do PSD-Madeira.

Mais tarde, o chefe do executivo regional acabou por declarar à imprensa que a queda da árvore de grande porte na praça central de Porto Santro tinha causado três feridos, um dos quais com gravidade. Posteriormente, foi confirmada a morte de uma mulher de cerca de 60 anos.

«Rezem para que este ano acabe depressa», pediu aos madeirenses.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

6 MESES DEPOIS DO "20 DE FEVEREIRO" - SERRA DE ÁGUA ABANDONADA PELO PODER DA "MADEIRA NOVA"

Passados seis meses sobre a catástrofe, a Serra de Água continua com a sua recuperação muito atrasada. E se não fosse o rali no início deste mês, provavelmente nem estrada haveria!

As obras de limpeza e consolidação da ribeira vão-se arrastando e a recuperação (ou a eliminação) de inúmeras casas que ficaram semi-destruídas é uma miragem!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Novo Programa de Actividades, até ao final do ano da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal

Bis Bis

Membros da AAPEF reuniram-se ontem ao final da tarde para conhecer melhor a situação presente na cordilheira central da Madeira e debater as possíveis opções a seguir com o objectivo de recuperar a cobertura vegetal dessa área.

Durante os dias que se seguiram aos incêndios recebemos de algumas centenas de pessoas demonstrações de interesse em participar nesse trabalho e equacionámos a forma de as integrar. Gostaríamos de colocar de imediato toda esta gente a trabalhar lá em cima, mas fazê-lo sem a devida organização e meios e sem medidas de acção bem definidas seria correr o risco de de desperdiçar o trabalho destes voluntários.

Pelo que optámos por fazer uma sessão de arranque, já no próximo Sábado, no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, com o objectivo de implementar nessa área condições mínimas de apoio às actividades futuras, uma vez que a cabana que servia de Centro de Educação Ambiental foi totalmente destruída, bem como restaurar funções básicas como o abastecimento de água a partir da nascente existente no perímetro do Campo. Para isso contaremos com uma equipa de voluntários que habitualmente participa nas actividades da AAPEF e que já tem experiência no campo e neste tipo de trabalho.

A partir de Sábado, 28 de Agosto, começaremos então com um programa reforçado de actividades nas áreas do Pico do Areeiro e do Campo de Educação Ambiental, já abertas a todas pessoas que desejem contribuir com o seu trabalho voluntário. Em vez de uma actividade mensal de manutenção/plantação, passaremos agora a fazê-lo todos os Sábados, excepto uma vez por mês, em que continuaremos a fazer um percurso pedestre de descoberta do património natural da ilha (ver detalhe no final deste artigo).

Quem desejar participar nas actividades anunciadas poderá inscrever-se através do e-mail amigosdoparque@gmail.com ou pelo telefone 291 783 999 (4ª e 6ª feira, das 16:00 às 18:00).

Embora a vontade de muitos seja iniciar a plantação de imediato, em rigor esta não é a melhor altura para o fazer. Até Outubro as condições climáticas são adversas para isso e certamente condenaríamos a uma morte prematura uma percentagem elevada dos espécimes plantados. Assim, até que as condições sejam propícias ao início da época de plantio, teremos de fazer um trabalho de limpeza dos esqueletos calcinados das muitas árvores e arbustos que foram atingidas pelo fogo e de preparação do terreno para plantação.

Falta-nos também apurar a quantidade de plantas de que poderemos dispor, uma vez que aqui não se trata de colocar na terra qualquer tipo de planta. Os incêndios propiciam condições ideais para a expansão de espécies invasoras e infestantes, como os eucaliptos, as acácias, a giesta ou a carqueja (tojo). É fundamental desde já manter estas espécies sob controlo apertado e ir reflorestando com espécies endémicas e indígenas características das áreas atingidas.

Entretanto continuaremos em contacto com as instituições oficiais no sentido de coordenarmos o nosso trabalho no campo e, por exemplo, com a eventual partilha de voluntários, se continuarmos a ter manifestações de interesse superiores à nossa capacidade de colocar todas essas pessoas no terreno.

Durante estes dias notámos alguma confusão nas missivas que nos foram enviadas sobre o que é de facto esta Associação.

A Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal é uma organização não governamental para o ambiente, sem fins lucrativos, que depende exclusivamente das contribuições dos seus sócios e da comercialização de publicações de edição própria. Somos actualmente cerca de 350 cidadãos que desde a fundação da Associação em Julho de 1996 tenta, com o seu trabalho voluntário, contribuir para a recuperação do coberto vegetal das nossas serras e para a educação e sensibilização das populações locais para as questões ambientais. Temos ao longo destes anos contado com a colaboração persistente ou esporádica de muitos outros cidadãos e organizações.

Os fundadores da AAPEF fizeram-no conscientes de que só com as instituições governamentais, sem o esforço voluntário e participação das populações, seria impossível levar a cabo o projecto de restaurar e preservar os tesouros naturais da ilha.

Apesar de o termos no coração, não somos o Parque Ecológico do Funchal que é propriedade da Câmara Municipal do Funchal. Ao longo da nossa história temos colaborado com o PEF mas não depende de nós o destino e as orientações que são dadas no seu âmbito.

Fazemos esta clarificação para que compreendam melhor as nossas limitações de actuação, que actualmente se restringem à área de plantação no cimo do Pico do Areeiro e ao Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, espaços diminutos em relação à totalidade da área consumida pelos recentes incêndios. Devido à grandeza do trabalho que nos espera nos próximos anos, tencionamos sair desses espaços e trabalhar também nas zonas vizinhas onde operacionalmente podemos com mais facilidade colocar pessoas e meios.

Finalizamos com um agradecimento a todos os que de alguma forma manifestaram a sua solidariedade, esperando que não desanimem e mantenham a vontade em contribuir para deixar uma ilha melhor para os nossos descendentes.


PROGRAMA DE ACTIVIDADES ATÉ DEZEMBRO DE 2010

Data Actividade km G.Dif.

21 de Agosto Trabalhos de recuperação do Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha

28 de Agosto Limpeza e preparação do terreno para plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha

4 de Setembro Percurso pedestre: Paul da Serra » Pico dos Assobiadouros » Louro da Gota » Fanal 10 km  2

11, 18 e 25 de Setembro Limpeza e preparação do terreno para plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha

2 de Outubro Percurso pedestre: Lombo do Mouro » Levada do Monte Medonho » Pináculo » Caramujo » Estanquinhos 10 km  2

9, 16, 23 e 30 de Outubro Plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha

6 de Novembro Percurso pedestre: Igreja dos Prazeres » Jardim Pelado » Lombo da Rocha » Paul do Mar 9 km  2

13, 20 e 27 de Novembro Plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha

4 de Dezembro Percurso pedestre: Achada da Felpa » Estação de tratamento de água de São Jorge » Levada do Rei » Ribeiro Bonito » Posto Florestal do Cascalho » Miradouro das Voltas » Ribeira Funda 16 km  2

11 e 18 de Dezembro Plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha

G.Dif. - Graus de dificuldade: 1 (Fácil); 2 (Médio); 3 (Difícil)

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

O Mentiroso do Carmo - GIL CANHA, hoje no DN Madeira

Cartas do leitor



Foi publicada neste espaço, uma carta do leitor intitulada "O Sherif da Praça do Carmo" da autoria dum tal sr. José António Ferreira. Essa carta contém um chorrilho de mentiras e falsidades contra a minha pessoa, uma prática que já é habitual e para a qual estou blindado. Contudo, não posso ignorar nem deixar em branco as questões de HONRA. Na Antiguidade, Tucídides defendia que "um homem que permite que lhe retirem a honra, permite tudo…", enquanto que para o nosso Ramalho Ortigão, "umas boas bengaladas não retiram o agravo da desonra, mas amaciam o coiro do mariola".


O tal autor da cartinha, cheia de erros ortográficos, refere que estava na esplanada da Rua da Cooperativa Agrícola a beber uma "loirinha" com outros clientes, e que me ouvira a "vociferar impropérios" dentro de um café, porque não permitia que os donos instalassem mais uma esplanada (com s, não com x) num espaço pertença do condomínio. Também escrevinhou, que eu puxara dos galões e dissera: "Sou o presidente do condomínio deste prédio e além disso sou vereador da CMF, pelo PND".

Quem me conhece minimamente sabe, que por vezes falo alto e exalto-me, mas nunca ao ponto de ser malcriado (reconheço, para mal dos meus muitos pecados, que mais depressa dou uns batatões num biltre que o insulto). Agora o que nunca faço, em circunstância alguma, é andar por aí a vangloriar-me que sou isto ou aquilo, pelo contrário, cultivo a discrição e o recato, aliás ninguém me vê em revistas e muito menos nas festarolas do "jet set" madeirense.

Outra falsidade foi o número de clientes que assistiram à conversa. Que me lembre, só lá estava um casal de namorados e numa outra mesa, sozinha, uma senhora magra como uma cobra cuspideira de Marraquexe, muito semelhante a uma múmia egípcia ressequida, com um ar esverdeado e ausente, a lembrar a Mrs. Caddy, de Faulkner, saudosa dos tempos em que lavava pratos na grande Londres.

A doentia testemunha de café diz ainda que fui posto na rua do estabelecimento. Outra mentira descarada! Embora estivessem zangados pelo facto do condomínio não permitir que montassem mais cadeiras e mesas numa zona de passagem (até porque já têm a sua esplanada, como os demais), os sócios do referido café, embora teimosos, até foram cordiais comigo. O problema é que existe uma deliberação da Assembleia-geral de Condóminos que não permite, e muito bem, a ocupação daquela área por mesas, porque se trata de um CORREDOR, que serve e dá acesso a outros estabelecimentos comerciais. Existe mesmo um processo a decorrer em tribunal, por causa da teimosia dos antigos locatários em quererem ocupar aquele mesmo espaço.

Não perco mais tempo com o autor da cartinha, nem o levo a tribunal por difamação, por duas razões: a primeira, é porque o meu sonho de criança era ser Xerife de uma pequena cidade e lutar contra os ladrões, o que de certa forma já faço. A segunda, é porque uma criatura cheia de sebo emaranhado com sujeira nos ouvidos não necessita das rígidas formalidades dum tribunal. Somente de um felpudo escovilhão sanitário nos orelhões!

domingo, 8 de agosto de 2010

CUIDADO! Qualquer dia não ouvem o PS....

Na sua ânsia de não dar relevância a quem sabemos, o DN Madeira faz hoje dois artigos, um sobre os órgãos consultivos dos líderes partidários e outro sobre as férias dos políticos, em que o critério de escolha é o dos partidos com grupo parlamentar num caso, mas no outro nem se percebe qual é dado que falam das férias de Roberto Almada.

Pelo andar da carruagem, qualquer dia ainda têm  de subir a fasquia para grupos com mais de 3 deputados, ou algo semelhante.

Mas com o brilhante segundo mandato de Jacinto Serrão no PS arriscam-se a com esse critério deixar de ouvir os socialistas....  Se calhar nessa altura terão de inventar outro critério, como relevância a nível nacional mesmo se desapatecido a nível regional....

Entrevista ao juiz Paulo Barreto

Muito interessante, hoje no DN Madeira.

Como de costume, saíu baboseira...

Perante a proposta de instalação do Juízo de Família e Menores em São Vicente diz que há um problema por 95% dos processos se situarem entre Funchal e Câmara de Lobos. Mas logo a seguir vem defender a instalação em S. Vicente de um Juízo de Violência contra o Género, no caso o sexo feminino.

Nesse caso já não interessa a distância a percorrer? Ou será que a maior parte das queixas são dessa zona? Não acredito....

O PIOR DO RALI VINHO DA MADEIRA - OS EMPLASTROS

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

FRASE DO DIA

Dita hoje por um comerciante do Funchal, para José Manuel Coelho:

A cada vez que o vejo na Assembleia, penso que se morresse naquele instante, morreria como Jesus Cristo, no meio dos ladrões!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

domingo, 1 de agosto de 2010

Chefe chegou: acção! - artigo de Luis Calisto no DNMadeira

Queixar-se de censura resulta. só um protagonista já se impingiu 96 mil vezes nos media

Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

"A RTP dita 'da Madeira' censurou a minha intervenção, ao contrário das [intervenções] dos outros dois oradores." Eis um expressivo traço caricatural do jornalismo 'à Madeira nova' repercutido num protesto corriqueiro do chefe do governo. O chefe, nos primórdios, certamente admitia que ninguém é a personificação da notícia, sabia que notícia é notícia, tem definição. Mas, na fermentação do regime absolutista, aferrou-se à ideia de que não pode haver na Região acontecimentos mais importantes do que o Alberto João ir à serra visitar o jamboree ou assistir ao te-deum na Sé.


Ninguém compra um jornal ou liga a TV à procura de enchidos à medida do exibicionismo de um chefe. Mas o homem tanto se enfronhou na batalha para ser visto, achando-se a 'notícia em carne e osso', que não só impôs tal teoria como acabou por se auto-convencer de que é crime desviar os holofotes da sua real figura. Daí perguntar à estação por que diabo falhou o 'Serviço Público' de meter no telejornal uma discursata sua, de todo dispensável à reportagem.

A queixa surgiu esta semana no JM, em mais um hilariante 'post scriptum'. Chefe das Angústias referia-se à cerimónia da entrega de três casas a desalojados do 20 de Fevereiro. A reportagem deu antena a Luís Filipe Vieira, porque as casas foram oferecidas pela Fundação Benfica, e a Ismael Fernandes, presidente da martirizada Ribeira Brava. Tinha o chefe algo a ver com esta diligência? Ele acha que sim, porque... ele é a 'notícia'. E que terá dito de tão decisivo na cerimónia para se queixar de "censura"? Classificou a atitude do Benfica de "exemplo cívico" e "exemplo bonito". Foi essa bombástica tautologia que a TV 'censurou'. Sejamos práticos: haveria ridículo 'post scriptum' se a reportagem mostrasse sua excelência a perorar e omitisse Filipe Vieira e Ismael?

Tem havido tentativas, geralmente mal sucedidas, para um regresso aos conceitos genuínos do jornalismo. Pondo-se em causa, por exemplo, o teor noticioso das inaugurações. Em definição linear, notícia é o que permite saber o que se desconhecia. Quem não sabe que é o chefe a presidir às eleiçoeiras inaugurações? Na verdade, depois de '365 dias vezes 32 anos' a inaugurar, notícia mesmo seria uma inauguração sem o chefe. Mostrar a importância de uma nova estrada para a população da Achada do Norte é importante. Ter sido o chefe a inaugurá-la não interessa patavina. Quer promoção? Pague. Bem, se pagar será com dinheiro dos outros...

A braços com essas não-notícias dos actos oficiais, os jornalistas, antevendo o desespero para produzir a peça, 'pedem' ao chefe do governo comentários sobre temas às vezes estapafúrdios, desde o bebé de Ronaldo à mosca da Patagónia - para terem algo de diferente. Cada qual pede uma opinião e depois... a televisão debate-se com o drama de meter o chefe três, quatro e cinco vezes no mesmo telejornal. Não há alinhamento que resista. É que, se não, ribombam os temidos telefonemas para a RTP e o 'post scriptum' no JM. Assim viceja o crónico 'telejardim', ramalhete de aparvalhantes 'posições' do chefe de que os jornais escritos mais depressa conseguem escapar, em parte. O chefe ofusca tudo. Desde que se diga que o Alberto João visitou o jamboree, que elogiou e foi elogiado, pespegando as suas diatribes largadas à margem, missão cumprida. Mesmo que o consumidor de informação fique sem perceber os propósitos e os objectivos do jamboree, as acções a correr no terreno, quem é que faz o jamboree - ou, mais grave, o que é sequer um jamboree.

O sistema está enraizado. A RTP, responsável pelo Serviço Público de TV, está obrigada a observar o 'pluralismo, o rigor, a isenção da informação, respeitando escrupulosamente os princípios da liberdade e da independência perante o poder político e o poder económico, designadamente face ao governo'. Apesar de não ser iliterato, chefe das Angústias infere que estas normas significam o seguinte: se lhe cortarem o pio num telejornal ou se puserem 'comunas' a falar, é caso de saneamento.

Chefe decide, está decidido. Entende que, como ganha eleições, pode ser 'juiz em causa própria', pode ser 'árbitro e jogador ao mesmo tempo'.

Fazendo contas tímidas, o grande líder deve ter, nesta eternidade jardineirista, aparecido em telejornais, noticiários de rádio e páginas de jornais para aí umas 96 mil vezes. Perante massacre de tal jaez, a oposição tende a desaparecer. Daí a solução de, em rodapé, a TV passar uns segundos de cada partido por dia, para tentar aplacar a desproporção. Ou seja, há um tempo de antena obrigatório a abrir o noticiário, com as inaugurações e as sentenças do chefe. E outro tempo de antena à beira do intervalo, com as acções que os partidos da oposição fazem para evitar a sua desintegração. Isto passa-se hoje na RTP como se passou com as direcções anteriores - conforme testemunho aqui presente. Ora, tempo de antena não faz parte dos noticiários. Os políticos criativos sabem como programar diligências com notícia.

Que interessa a quem está no poder? Ocupar os espíritos. Enquanto o governo discute os jornais, os jornais não discutem o governo. A Madeira é a única terra do mundo onde é a Política a criticar a Crítica, em lugar de ser a Crítica a criticar a Política. Só aqui, TV e jornais são notícia. Diária. Há 30 anos. E enquanto o asfixiante sistema boicota a missão das redacções, o povo não pensa no futuro de uma Região metida no beco sem saída onde se encontra. Na alaranjada arquiconfraria, a proliferação de adjuntos e assessores deveria, ao menos, libertar o chefe dos seus ímpetos exibicionistas. Um presidente não devia fazer de 'emplastro', a impingir-se às câmaras de TV o tempo todo. Quinta-feira, chefe foi à bola e apareceu em planos fixos, 'zoom in' e 'zoom out' mais vezes do que os marcadores de oito golos, além das citações e alusões nos comentários. Desta vez não haverá 'post scriptum'.

Resta esperar que, enquanto procura o regresso à sanidade, a Madeira não seja atirada para o abismo por esta desgovernação arrogante e jactante, suicida e bancarroteira, desprogramada, irresponsável, desregrada, individualista - dramaticamente perigosa. Quadros de reconhecida sensatez, mesmo da área maioritária, confessam temer que o colapso esteja para muito breve.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

BENDITO RALLY!

É isto que dizem nesta altura os habitantes da Serra d' Água ao verem finalmente a ser repostas as estradas que desapareceram na enxurrada de 20 de Fevereiro.

Depois de seis meses completamente esquecidos pelo poder instalado, foi necessário o Rally da Madeira para num instante as estradas principais serem reconstruídas.

As outras? Pelo andar da carruagem talvez dentro de dois ou três anos...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

O GRANDE LÍDER ESTÁ GASTO!

Propositadamente esperei alguns dias para ver as reacções ao discurso de Alberto João Jardim na festa do Chão da Lagoa, do PSD Madeira.

E este ano, o acontecimento passou completamente despercebido no continente e acabou por ser muito pouco falado na Madeira!

Este ano A.J.J. não exigiu a independência, não insultou o Primeiro-Ministro nem o Presidente da República e apenas chamou queixinhas ao deputado do PND José Manuel Coelho por este ter feito queixa da Fundação Social Democrata. Isto vindo de alguém como Alberto João Jardim, que segundo a jornalista Maria Henrique Espada diz na biografia não autorizada "O Rei da Madeira" coloca 20 a 30 processos em Tribunal, por dia! Não está nada mal!

Mas foi pouco, muito pouco!

Alberto João Jardim sente claramente que o seu tempo já passou! E as patéticas declarações que fez no fim sobre se vai continuar ou não são disso prova clara... E em condições semelhantes o Ieltsin era bem mais divertido!

domingo, 25 de julho de 2010

DIA DA PONCHA


Hoje é o dia da Poncha, por isso é de contextualizar as habituais bojardas!

quarta-feira, 21 de julho de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

EM TEMPOS DE CRISE A INCOMPETÊNCIA DÁ MAIS NAS VISTAS

Passei o fim-de-semana todo a rir (com coisas tristes, é verdade) depois de ter visto na tv Raquel Drumond Borges França directora regional de Turismo da Madeira dizer que apesar de as taxas de ocupação serem baixas neste momento na Madeira as coisas podem melhorar porque há muita gente que decide o local de férias na véspera ou até no aeroporto no próprio dia de partida!

Estas declarações ridículas só vêm provar mais uma vez que a crise não explica tudo. Há muita incompetência e incapacidade de perceber o que é e o que deveria ser o destino Madeira....

sexta-feira, 16 de julho de 2010

OUTRA PUBLICAÇÃO IMPOSTA AO JORNAL DA MADEIRA

É a única coisa em que a ERC funciona... Consegue impor ao Jornal da Madeira a publicação de direitos de resposta vários meses depois... Quanto ao resto as suas deliberações são totalmente ignoradas!

Este foi publicado como pretenso esclarecimento e seis meses depois do envio, ou seja em Março deste ano!


Esclarecimento


A publicação do presente esclarecimento é efectuada por efeito de Deliberação do Conselho Regulador da ERC, ao abrigo do disposto no nº 4 do artigo 27º da Lei de Imprensa:

«O Dr. Filipe Malheiro no seu artigo titulado “Bizzarro” ataca os dirigentes do Partido da Nova Democracia e faz certos juizos de valor sobreos acontecimentos ocorridos na inauguração do dia 2 de Outubro que, como admitiu, não presenciou nem viu as imagens. Convém aqui, como protagonizanta e testemunha que fui, descrever o mencionado “acto patético protagonizado por gente idiota, que se aproveitou de um acto público de inauguração, paraarrotara verborreia patética que alimenta uns anormais frustrados” (sic) de forma a elucidar o Dr. Malheiro e seus leitores sobrea motivação das pessoas que participaram nessaacção que, de forma algo caricata, o nosso amigo atribui “à inveja” e à “vingança”, “fascizóide”.

O PND tem estado presente nas inaugurações durante o período da campanha eleitoral para protestar contra a violação da Lei Eleitoral. Há anos que o Presidente do Governo Regional utiliza estas inaugurações para fins politicos e para beneficiar a candidatura do seu partido. A mensagem é alias identica à do partido do poder no período do então Estado Novo que o Dr. Jardim tanto exaltava e defendia. A mensagem desta propaganda é a de que o partido do governo tem obra e o resto não presta. É o velho lema Salazarista do “come e cala-te”. Nas inaugurações Estado-Novistas da Madeira Nova, Jardim vai mais longe e acusa os outros partidos de serem “colonialistas”, “traidores”, “mafiosos”, “fascistas”, “anti-democráticos” e “anti-autonomistas”. Mais grave ainda, Jardim tem, em diversas ocasiões, aproveitado a sua intervenção para incitaro povo ao uso da violência contra aqueles que designa serem seus inimigos, e portanto “inimigos da região”.

No dia 2 de Outubro , o PND mais uma vez compareceu na inauguração, ostentando uma faixa com os dizeres “inaugurações eleiçoeiras, vergonha”. Os elementos do PND acompanharam todo o percurso da Estrada nova, sem qualquer incidente, apesardo Presidente do Governo Regional ter encorajado alguns trabalhadores da Tecnovia a que os agredissem. No fim do percurso, o PND levantou uma segunda tarja que, lembrando a frequente evocação do fascismo nos discursos oficiais de Jardim, perguntava, “quem defendia a ditadura no Voz da Madeira?” Mais uma vez, durante o discurso official, Jardim recordou os tempos do fascismo, o que motivou os dirigentes da Nova Democracia a juntarem-se ao coro, gritando “fascismo nunca mais! Viva a democracia”. Tudo continuou dentro da normalidade, até que um intellectual do PSD, perturbado pelo factor de eu estar a filmar o grande líder, sacou um cãozinho e meteu-se à frente da câmara de video. Este incidente, que durou alguns minutos, acabou por motivar uma gargalhada geral e foi aí que Jardim perdeu a paciência e mandou seus guarda-costas removerem os palhaços do local. Continuei a filmar, apesar das constantes provocações por parte de agitadores do PSD ali presentes. Terminado o discurso de Jardim, outro distinto intelectual do PSD subiu ao pódio onde fez um discurso emotivo, que foi muito aplaudido, inclusive pelo próprio chefe executivo. “Sem o Jardim” gritou o homem, “a Madeira era um enorme galinheiro!” Findos os discursos, dois ou três elementos mais histéricos do PSD, naturalmente sentindo-se autorizados ao uso da violência pelos apelos do Dr. Jardim, incomodados pelo facto de eu ter filmado toda aquela cena hilariante, digna de uma obra-prima de Kusturica, agrediram-me, com o objectivo principal de destruir e tomar posse da máquina de filmar, que felizmente, embora danificada, ficou na minha posse. O filme pode ser visionado pelo nosso distinto colega no site http://www.pndmadeira.blogspot.com/.

Finalmente, aproveito para agradecer o Dr. Filipe Malheiro de ter-nos dado esta pequena oportunidade para podermos esclarecer os acontecimentos daquele glorioso dia. Muito obrigado pela atenção.

Eduardo Welsh, dirigente do PND

7 de Outubro de 2009

quinta-feira, 15 de julho de 2010

JORNAL DA MADEIRA - MAIS UMA CONDENAÇÃO....

Direito de Resposta - A publicação do presente direito de resposta é efectuada por efeito da Deliberação do Conselho Regulador da ERC 22/DR-I/2010



No artigo intitulado ‘É estranho’, publicado no JM no dia 11 de Março, o autor, identificado apenas pelas iniciais C. A., descreve, de forma desprimorosa, a minha atitude, manifestada no exercício do Direito de Resposta, publicado no dia anterior. Mais classificou de estranha ‘coincidência’ o facto de o meu esclarecimento e o do Dr. Marques de Freitas terem sido publicados no mesmo dia. Efectivamente, o meu Direito de Resposta foi publicado no dia 10 de Março 2010, por deliberação da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, no entanto, o texto já fora remetido para a redacção do Jornal no dia 7 de Outubro de 2009, ou seja cinco meses antes! Logicamente, ao existir ‘coincidência’, esta é da única responsabilidade da direcção do Jornal da Madeira. Mais, cumpre esclarecer que o Direito de Resposta exercido não se trata, de forma alguma, de ‘soltar’ a ‘bílis’, mas sim de repor a verdade sobre os acontecimentos relatados de forma facciosa, deturpada e insultuosa no artigo respondido. A atribuição do mero exercício de direitos legais e Constitucionais a ódios e animosidades é totalmente desprovida de sentido e cheira às técnicas de propaganda dos piores regimes totalitários do Século XX. Quanto à ‘fortuna’ do Hinton, esta já era considerável antes da família se radicar na Madeira e ter investido na fábrica, fundada mais de meio século antes do estabelecimento do Estado Novo. O que é verdadeiramente estranho é que o Sr. articulista critique as minhas ligações (inexistentes) ao Estado Novo mas demonstre uma atitude totalmente contraditória e hipócrita no seu artigo (...)


Eduardo Welsh

Esta publicação decorreu desta deliberação

terça-feira, 13 de julho de 2010

Em 4 anos, nada mudou....

Uma entrevista de Eduardo Welsh a Roberto Bruno Meijer Loja na dissertação LIBERDADES DE IMPRENSA E DE EXPRESSÃO NA MADEIRA

P. Liberdade de imprensa. Trata-se de algo que existe na Madeira?

R. A liberdade de imprensa, de facto, existe na Madeira. Mas existe quando é criada independentemente. Nós (Garajau) publicamos coisas muito contundentes e controversas. Mas nos média dominante não existe. Havia a impressão que existia liberdade, mas começamos depois a constatar que era tudo controlado, que havia muitas omissões, que havia muitas coisas que não chegavam ao publico, havia outras que chegavam, mas sem os nomes, ou sem a informação mais comprometedora e que de facto… no Jornal da Madeira não existia, e o Diário de Notícias estava controlado, o que “fechava” os dois diários. Chegamos pois à conclusão que não havia (liberdade de imprensa), e por isso criamos uma coisa alternativa.

P. As coisas não acontecem normalmente por uma única razão, mas quando afirma que o Jornal e o Diário estavam controlados, é porque o Governo faz um grande esforço por controlá-los, ou porque os jornalistas se deixam controlar?

R. O Jornal da Madeira é controlado directamente, e quem trabalha lá presta-se a isso. No Diário de Notícias é mais complicado, há um controlo indirecto, havendo uma negociação de interesses, a nível certamente do director, e até dos “donos”, que também nunca expressaram, nunca responderam a qualquer acusação que lhe tenha sido feita pelo Governo Regional. Adoptaram sempre uma posição de subordinação que os tem beneficiado.

P. Mas curiosamente, os resultados do inquérito aos jornalistas referem a existência de maiores pressões sobre jornalistas do Diário de Notícias do que sobre os do Jornal da Madeira…

R. Os jornalistas do Diário de Notícias têm uma expectativa de trabalharem num órgão independente. Os do Jornal da Madeira já sabem o que os espera. Mas há vários jornalistas que saíram do Jornal da Madeira, e referem ter verificado uma mudança para melhor.

P. A postura do GR é conducente a maior liberdade, e a uma maior intervenção do público na gestão da coisa pública? Ou as pessoas hesitam em intervir?

R. Claro (que hesitam), porque há mecanismos de represálias, a par de mecanismos de dependência. E há anos que ninguém cria ondas, ou estas são criadas de forma muito limitada. Há uma aparência de normalidade, que nunca chega a culminar numa situação… normal.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

SOCIALISTAS? BURGUESES DO PIORIO É QUE É!

Enquanto vai estrangulando a classe média com cada vez mais impostos a nomenclatura que nos governa vai gastando à tripa-forra! Para eles não há crise!


Apenas alguns exemplos da contenção que os socialistas têm, em tempo de crise:

Inês Medeiros, candidata por Lisboa, com lista entregue no Tribunal Constitucional pelo PS indicando que mora em Lisboa, depois de eleita declara viver em Paris e solicita o pagamento de viagem semanal.

No preciso dia em que aconselha os portugueses a comer mais sopa devido à crise, a Ministra da Saúde almoça faustosamente num caro restaurante da moda em Lisboa.

A pretexto de uma visita aos militares que combatem os piratas da Somália e de uns encontros com dirigentes das Seychelles a propósito da candidatura de Portugal ao Conselho de Segurança da ONU, o Ministro da Defesa Santos Silva e respectiva comitiva deslocaram-se às Seychelles.

Na mesma semana soube-se que a esposa do Primeiro Ministro dos Açores se deslocou em viagem oficial ao Canadá, tendo gasto com a comitiva cerca de 27.000 euros.

Muitos outros exemplos da contenção socialista poderiam ser dados mas parece-me que estes são suficientes para se ficar com uma ideia.

CONTENÇÃO, SIM, MAS PARA OS OUTROS!

sexta-feira, 9 de julho de 2010

É ESTA A CRISE! UMA VISITA ÀS SEYCHELLES É SEMPRE AGRADÁVEL, PRINCIPALMENTE SE PAGA PELOS CONTRIBUINTES!


O ministro da Defesa Nacional (MDN), Augusto Santos Silva, acompanhado pelo Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Valença Pinto, visita hoje a Força Nacional Destacada (FND) na "Operação Atalanta”.

A participação portuguesa consiste num destacamento aéreo composto por uma Aeronave de Patrulhamento Marítimo P3-P e 42 militares da Força Aérea Portuguesa, que operam a partir das Seychelles, desde Abril de 2010, por um período de quatro meses, e constitui um reforço por parte de Portugal na operação da União Europeia que combate a pirataria no Oceano Índico.

No âmbito da visita, o MDN terá ainda encontros com o Presidente da República das Seychelles, James Michel, com o ministro da Administração Interna, Ambiente e Transportes, Joel Morgan, com o ministro para os Assuntos Estrangeiros, Jean-Paul Adam, e com o Chefe das Forças Armadas das Seychelles, Brigadeiro Leopold Payet, em que, entre outros assuntos, abordará a questão da candidatura portuguesa ao Conselho de Segurança da ONU, no biénio 2011-2012.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Autonomia Selectiva

“A qual se traduzirá num mais íntimo apoio material, técnico, humano e político à conjuntura distrital, vindo de Lisboa, mas remetendo para a administração local a tomada pormenorizada de decisões, dentro dos objectivos genéricos definidos pelo Governo, e naqueles campos de acção em que só uma visão de dentro do Arquipélago possa equacionar o problema na dimensão VERDADEIRA. Noutros campos, onde a realidade madeirense não justifique a particularização em relação à política prosseguida em todo o Espaço Português, deixemos a Lisboa actuar. Ouvindo os nossos líderes que têm de ter capacidade plebiscitada seriamente, tal como atende aos líderes de todas as regiões portuguesas. As curtas horas que nos separam da administração central, sossegam-nos em absoluto quanto à política a seguir nestas situações em que o condicionalismo madeirense não ofereça especialidade”.

Alberto João «Voz da Madeira», 29 / 01/1974

Autonomia Distrital

“Quando numa conjuntura política se pretendem insuflar novos tónicos, certamente que a primeira atitude de análise é a de contemplação da viabilidade estrutural do corpo social em questão. Assim,nãosepoderá intenta rnovos rumos na Madeira, sem previamente responder-se à pergunta de como deve concretizar-se a autonomia distrital. No nosso caso, há a considerar duas atitudes mentais extremas, das quais se tem de fugir a passo largos. Uma será a daqueles que ainda se banham em sonhos de autosuficiência. Na verdade, alguns acreditam que o Distrito só marchará à custa de iniciativas ou decisões cá tomadas, concebendo a administração central como um travão desnecessário e incomodativo na maior parte dos casos”.

Alberto João, «Voz da Madeira», 29/01/74

quarta-feira, 7 de julho de 2010

HÁ COISAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ?

Temos um estudo que se arrasta há uma década....

De repente o iluminado A.J.J. decide que é prioritário e faz um despacho nesse sentido, atribuindo-lhe prioridade e a alocação de t\odos os meios necessários à sua elaboração...

E depois digam que não andam a brincar com o dinheiro dos contribuintes! Em tempo de crise, com milhares de desempregados e pobres pela Madeira isto é uma afronta, sem qualquer tipo de justificação! Realmente esta Madeira Nova está cada vez mais podre por muito que o seu mentor fale alto e grosso!

MUIIIIIIIITO INTERESSANTE!

Contas com 500 anos

Jardim mandou calcular o 'deve e o haver' da Madeira desde o século XV



Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

De "importância prioritária" é como Alberto João Jardim classifica a tarefa atribuída a uma equipa, que será liderada pelo historiador Alberto Vieira e deverá calcular o 'Deve e o Haver das Finanças da Madeira entre os séculos XV e XXI'. Um cálculo curioso, de execução difícil, mas que consta de um despacho (nº 11/2010) da Quinta Vigia, datado de 26 de Maio e que vai assinado pelo presidente do Governo Regional.

A conta daquilo que terá sido retirado à Madeira, através de impostos e exportações de vinho, açúcar e outros produtos, é considerado urgente e, como é possível ler no despacho, "deve ser concretizado com a maior brevidade possível".

Para isso, serão destacados os "professores necessários para o efeito" - não há qualquer limite estabelecido - e "todos os departamentos do Governo Regional, bem como todas as entidades sob sua tutela, prestarão as adequadas e necessárias facilidades".

Além de não colocar qualquer limite ao destacamento de especialistas para esta tarefa, o GR também autoriza os estágios profissionais dos licenciados "considerados necessários à concretização deste projecto".

As verbas necessárias também devem ser rapidamente desbloqueadas, segundo as ordens de Alberto João Jardim.
O objectivo desta avaliação do 'deve e haver' da Madeira, ao longo de mais de 500 anos, parece ser determinar quanto terá sido 'levado' pelo poder central, desde o início da colonização até os dias de hoje. Um argumento que poderia ser esgrimido numa nova disputa em torno das transferências do Estado para a Região. O cálculo pedido por Jardim terá em conta as diferentes moedas que foram utilizadas, ao longo de séculos, a desvalorização e valorização monetária, inflação, preço de produtos, custos de transporte, entre muitas mais alíneas. Uma tarefa que parece muito difícil .

"Absolutamente inaudito"

O grupo parlamentar do PS-M já reagiu a este despacho do presidente do Governo e considera-o "absolutamente inaudito".
André Escórcio, líder da bancada socialista na Assembleia Legislativa, não tem dúvidas de que esta decisão do GR é "mais uma prova do descrédito" de uma governação que não consegue libertar-se "do conceito de permanente guerrilha institucional".

O deputado socialista admite que esteja a ser preparado o terreno para, "munindo-se de dados fabricados à medida" deferir novos ataques à República.
Escórcio pergunta qual o interesse de estudar contas de mais de 500 anos de História. "Quererá o Governo regressar à velha e gasta historieta da independência", pergunta.

O PS-M também interpreta este despacho como uma forma de, com o aproximar das eleições regionais e utilizando o dinheiro público, "enganar as pessoas com contas absolutamente estúpidas e descontextualizadas".

O líder parlamentar do PS-M desafia o Governo Regional a preocupar-se, primeiro, "com as actuais finanças públicas" e a encontrar medidas para enfrentar os "monstruosos encargos que estão por pagar".

INTERESSANTE!

Anunciado pelo menos desde 2001:

CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA DO ATLÂNTICO


O DEVE E O HAVER: AS FINANÇAS PUBLICAS E PRIVADAS NA HISTORIA DA MADEIRA


Projecto de investigação a desenvolver pelo CEHA com a coordenação De Alberto Vieira

DEFINIÇÃO :

Na História da Madeira persistem ainda importantes lacunas que impossibilitam por vezes um conhecimento abrangente desse devir. A história económica, aqui encarada nos seus múltiplos aspectos, é ainda um campo em aberto. As análises são parcelares e circunstanciais não havendo qualquer análise estrutural que possa estabelecer o rumo da economia madeirense e as suas pertinentes implicações no curso da História. Ainda, no domínio da História Económica, os problemas relacionados com a fiscalidade e finanças públicas não têm merecido qualquer atenção por parte dos estudiosos, sendo um dos muitos campos em aberto na História da ilha.

Tendo em conta a importância que assume este último aspecto para definir o rumo da história económica madeirense e as suas inevitáveis implicações políticas, bastante evidentes a partir do século XIX, intimamente ligada ao combate pela autonomia, parece-nos assim evidente a pertinência da sua abordagem.

Por outro lado, o interesse que o mesmo tema merece para a comunidade científica e sociedade política optou-se por uma estruturação do projecto que atenda as estas duas solicitações, materializada na forma da apresentação final dos resultados do projecto, sob a forma de livro.

OBJECTIVOS:

O estudo em causa apresenta-se complexo tendo em conta a inexistência de qualquer tipo de abordagem e a sua vastidão. Assim, para além da necessária definição das instituições de suporte, é necessário ter em conta a evolução das políticas financeiras e fiscalidade, que têm no século XIX, com o Liberalismo, uma reforma radical, que desemboca na estrutura actual. A par disso torna-se necessário, para o período prè-estatístico reconstituir o movimento da receita e despesa a partir de dados avulsos, situação que só terá informação satisfatória e ordenada a partir da segunda metade do século XIX.

terça-feira, 6 de julho de 2010

AS FIGURAS MEDÍOCRES DOS DITADORZINHOS DE ALDEIA

“As sociedades, a nível nacional, podem apresentar-se legitimamente articuladas por forma a estarem limitadas as veleidades de abuso de poder. Mas a níveis regionais, podem surgir as figuras medíocres dos ditadorzinhos de aldeia que, pelos seus interesses particulares e longe do conhecimento dos poderes centrais, utilizam desarticuladamente o binómio diálogo-autoridade”.

Alberto João, «Voz da Madeira», 24/11/1971

segunda-feira, 5 de julho de 2010

PND pergunta por dinheiro da solidariedade


Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

José Manuel Coelho, o deputado do Partido da Nova Democracia, quer saber onde anda o dinheiro da solidariedade nacional, aquele que foi dado de forma generosa para apoiar as vítimas do temporal de 20 de Fevereiro. Ontem, enquanto decorriam as celebrações do aniversário da Força Aérea na Avenida do Mar, o deputado disse que Jardim se devia deixar de "asneiradas" e dar contas desse dinheiro.


Ofendido com o facto do presidente do Governo Regional o ter chamado de "garoto" nas cerimónias do Dia da Região, o deputado fez questão de sublinhar que o mais importante é saber onde estão as verbas dadas à Madeira pelos dadores nacionais. O dinheiro que foi cedido pelo Pingo Doce, a Sonae, o Banif. As doações somaram milhões de euros, mas segundo José Manuel Coelho até agora não foram reconstruídas as casas destruídas pelo temporal.

"Isso é que é importante que o sr. dr. Alberto João Jardim explique. E deixe de me chamar garoto. Eu não sou um garoto".

Marta Caires

sexta-feira, 2 de julho de 2010

quinta-feira, 1 de julho de 2010

DISCÍPULO DE SALAZAR E CAETANO AGITA PAPÃO COMUNISTA AO AMEAÇAR O POVO

Povo ficou na rua

Protestos à saída da Sessão Solene do Dia da Região



Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

Havia pessoas que estavam à porta e não tiveram autorização para entrar. E reclamaram.

Algumas pessoas foram esta manhã até ao Pavilhão Gimnodesportivo da Serra de Água para assistir à sessão Solene do Dia da Região. Acontece que não estavam credenciadas e, como tal, o acesso foi-lhes barrado pelos seguranças. O povo ficou assim na rua, arredado dos discursos que eram proferidos para uma plateia de convidados que representam as mais diversas autoridades políticas, militares e religiosas na Madeira.

À saída, ouviram-se alguns protestos de pessoas que foram impedidas de entrar. O presidente do Governo, que evitou comentários após a sessão, dirigiu-se a alguns dos populares a quem advertiu para o perigo de se aliarem a comunistas reclamando pressa nas obras, quando é o Governo Regional que vai reconstruir casas e estradas danificadas pelo temporal de 20 de Fevereiro.

Deputado do PND impedido de intervir na sessão solene do Dia da Madeira


A sessão solene da Assembleia Legislativa da Madeira, comemorativa do Dia da Região, foi hoje marcada pela tentativa frustrada do deputado do PND, José Manuel Coelho, de intervir “em defesa do povo esquecido da Serra de Água”, onde “não chega o dinheiro que tem vindo do continente” para a reconstrução.

Com a devida vénia ao Público

Na celebração que teve lugar nesta freguesia, a mais atingida pelo temporal de 20 de Fevereiro, foi cumprido um minuto de silêncio, em memória das vítimas do temporal.

Apesar do presidente da assembleia regional, Miguel Mendonça, ter ordenado aos funcionários que retirassem da sala o representante do PND – dizendo que “não se dá ao respeito e não respeita quem o elegeu”, “está a fazer arruaça” e “é indigno da sua condição de deputado” - Coelho [que antes protagonizara o episódio da bandeira nazi] permaneceu junto da tribuna até ao final da sessão.

Com a alteração do regimento efectuada há quatro anos, os representantes dos partidos da oposição deixaram de usar da palavra neste plenário, no qual deixaram desde então de participar, em protesto a que não aderiu o CDS/PP. Este ano, o PS voltou a estar presente, justificando a presença pela “mudança de estratégia” da direcção de Jacinto Serrão e por ser um acto institucional de evocação da tragédia.

Na intervenção com que encerrou a sessão, Miguel Mendonça relevou a “solidariedade globalizada” com os madeirenses atingidos pela intempérie. Defendeu uma nova revisão da Constituição que “está desactualizada e não responde aos desafios do futuro” por estar “eivada de conceitos ideológicos ultrapassados”.

O presidente do parlamento reivindicou ainda o reforço dos poderes legislativos da região, sublinhando não querer “nada que seja da soberania nacional”, mas não abdicar de “ tudo o que é verdadeiramente pertença da autonomia regional”.

Esta tarde, em cerimónia a realizar no salão nobre do governo regional, decorrerá a imposição de insígnias honoríficas madeirenses, presidida por Alberto João Jardim. Serão agraciados sete personalidades, entre as quais Zeinal Bava, presidente da Portugal Telecom, Soares dos Santos, presidente da Jerónimo Martins, Horácio Roque, presidente do Banif, (a título póstumo) e Rui Rebelo, administrador da Empresa de Electricidade, que recebem o “cordão autonómico de bons serviços pela relevante actividade exercida” na Madeira.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

O REI DA MADEIRA

Face à habitual reacção esquizofrénica do biografado e ainda sem o ter lido, parece-me que já posso recomendar a leitura deste livro, até porque a sua autora, jornalista consagrada actualmente a trabalhar para  revista Sábado é garantia de qualidade. (Consagrada, mas ainda pouco conhecida do grande público, mas este ano, com este livro mais o episódio do roubo dos gravadores pelo vice-presidente da bancada do PS na AR, as coisas vão mudar!)



segunda-feira, 28 de junho de 2010

José Manuel Coelho critica Paulo Portas e Jardim


Deputado considera ter havido cedência aos interesses norte-americanos na construção do radar no Pico do Areeiro

Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

O deputado único do PND na Madeira, José Manuel Coelho, acusou no sábado Alberto João Jardim e Paulo Portas de cederem aos interesses dos norte americanos ao permitirem a construção do radar no Pico do Areeiro, nas montanhas da Madeira.

José Manuel Coelho falava numa acção política no Pico do Areeiro, onde está a ser construído o radar "negociado por Paulo Portas [actual líder do CDS/PP] enquanto era Ministro da Defesa, numa instalação militar que está a surgir com a bênção de Alberto João Jardim [presidente do governo regional da Madeira] que cedeu aos interesses da Nato, dos norte americanos".

"Alberto João Jardim enche a boca com conversas autonómicas defendendo a Madeira em primeiro lugar, à frente do PSD e de tudo, mas na prática faz o contrário", disse.

O deputado acusou o presidente do governo regional de ter "entregado aos norte americanos, aos interesses dos Estados Unidos, o Pico do Areeiro, uma zona nas montanhas onde se consegue ver o mar a toda a volta da ilha, um dos pontos emblemáticos do ponto de vista turístico e ambiental".

Afirmou que "Paulo Portas, para receber uma medalha da Nato, entregou aquela zona, uma das mais bonitas da ilha que é a catedral do turismo e uma paisagem única no mundo, à superpotência mundial que vai criar condições para melhor atacar outros povos".

"É tempo dos madeirenses abrirem os olhos e perguntarem porque é que o CDS/PP-Madeira não disse nada sobre este assunto", mencionou.

De acordo com o deputado, os madeirenses desapontados com o PSD, que optam por votar no CDS, permitindo que este partido tenha vindo a crescer na região, devem reflectir sobre a posição dos populares que "não defendem os interesses da região mas de estrangeiros".

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Julgamento de activistas de Cabinda adiado para Julho


Com a devida vénia ao Público

Estava previsto para hoje mas, à última hora, foi adiado para 12 de Julho, o julgamento em Cabinda do padre Raúl Tati e de outros activistas dos direitos humanos detidos ao abrigo da Lei dos Crimes contra a Segurança de Estado, aprovada em 1978.

O julgamento foi adiado tendo em conta um pedido de inconstitucionalidade da acusação apresentado pelos advogados Luís Nascimento e Idalina Vieira; e consequentemente encaminhado todo o processo para o Tribunal Constitucional de Angola, a fim de que o analise.
A sessão prevista para 12 de Julho deverá ter em conta o que o Tribunal Constitucional disser sobre esta acusação de “autoria material de um crime de outros actos contra a Segurança Interior do Estado".

O antigo vigário-geral da diocese de Cabinda, o economista Belchior Lanso Tati e outros activistas dos direitos humanos foram presos depois do atentado de Janeiro contra o autocarro que transportava a selecção de futebol do Togo que ia participar no Campeonato Africano (CAN 2010). No incidente, reivindicado por uma facção independentista, registaram-se dois mortos.

No despacho de pronúncia alega-se que os réus tinham em seu poder documentos e panfletos que atentavam contra a segurança de Angola, por neles se fazer a apologia dos ideais de autodeterminação da província de Cabinda, tal como desde 1963 é preconizado pela FLEC, a frente de libertação presidida por Nzita Henriques Tiago e que se desdobra em diferentes facções.

Os advogados ainda tentaram hoje de manhã pedir a liberdade condicional do padre Tati, do economista Belchior Tati e do advogado Francisco Luemba, mas o pedido foi indeferido.

A propósito deste processo, a eurodeputada socialista portuguesa Ana Gomes escreveu no blogue Causa Nossa que “esta campanha repressiva destinada a silenciar vozes incómodas em Cabinda desonra Angola e, obviamente, não serve os interesses dos angolanos, agravando, em vez de resolver, a questão de Cabinda”.

Para a D. Estudante está tudo bem!

O mais preocupante é haver gente que depois da fase da negação da realidade está neste momento a dizer que o problema é devido à crise. Não é e quando esta passar, haverá uma melhoria mas que decerto não será substancial.

Há problemas estruturais - construiu-se em excesso, o betão invadiu zonas anteriormente de grande beleza e isso repercute-se nos preços a praticar; entrou-se também num círculo vicioso em que o serviço piora por não haver receitas, o que leva a nova quebra de receitas e a ainda pior serviço; gastaram-se milhões em elefantes brancos sem qualquer rentabilidade (a maioria nem cobrem os custo de funcionamento) como Madeira Story Center, Parque Temático de Santana ou Aquário de Porto Moniz, entre muitos outros; continua-se a insistir sistematicamente nos mesmo erros - o projecto megalómano do teleférico do Rabaçal continua de pé....



Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

Ocupação hoteleira preocupa AP Madeira

Catanho Fernandes

A baixa ocupação dos hotéis da Madeira e a necessidade de ser apurado o retorno das investimentos efectuados em promoção foram dois pontos em destaque na última reunião do Conselho Consultivo da Associação de Promoção (AP) da Madeira, realizado anteontem no Funchal.

O Conselho Consultivo apreciou a situação actual do turismo na Madeira, tendo se debruçado sobre os últimos indicadores, correspondentes ao primeiro quadrimestre deste ano. Fazendo a comparação com igual período do ano passado verificou-se uma baixa de 12,9% na entrada de hóspedes (menos 43 mil) e de 14,6% no número de dormidas (menos 248 mil camas hoteleiras ocupadas). Verificou-se também uma queda no rendimento por quarto disponível, que baixou 16% e situou-se nos primeiros quatro meses em 24,89 euros, e uma baixa ainda na taxa de ocupação que foi de 42,8% de Janeiro a Abril de 2010.

A tendência de Maio, embora não existam ainda estatísticas disponíveis, é semelhante, pois a queda de tráfego no Aeroporto da Madeira aponta uma queda de 10% no número de passageiros movimentados.

Da discussão estabelecida entre os conselheiros chegou-se à conclusão de que, não obstante, sejam conhecidas as causas da queda do turismo, que é global, agravada na Madeira pelas enxurradas de 20 de Fevereiro, a baixa do negócio na hotelaria resulta também de "causas estruturais endógenas, que urge ultrapassar".

O segundo ponto em análise foi suscitado pelas conclusões da IV Conferência Anual do Turismo, organizada pela Ordem dos Economistas. O documento foi analisado com muito interesse, face às questões pertinentes aí referidas, nomeadamente a questão da distribuição, gestão do preço e promoção. Perante a escassez de meios financeiros, os conselheiros sugerem que terá de ser feita uma opção pela focalização das acções e, de igual modo, pela segmentação das mesmas.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ERA ÓBVIO...

Como é que os principais responsáveis pelo estado em que o país está poderiam votar de forma diversa? Claro que não!

Madeira: PSD e PS rejeitaram no parlamento regional voto de protesto contra pacote de austeridade

O PSD e o PS rejeitaram hoje em plenário, no parlamento da Madeira, um voto de protesto do BE contra o “pacote de austeridade” que o deputado bloquista classificou de “uma verdadeira atitude de terrorismo social”. O voto foi discutido no período de antes da ordem do dia da sessão plenária da Assembleia Legislativa da madeira e teve votos favoráveis dos deputados do PND, MPT, CDS e PCP que criticaram a maioria social democrata e o maior partido da oposição por estarem de acordo nesta matéria.


Lopes da Fonseca do CDS-PP censurou estes partidos por estarem de “mãos dadas” neste acordo e o Governo da Madeira por apoiar este plano por causa da Lei de Meios que “vem beneficiar o PSD e não a região, porque há eleições em 2011”.

Leonel Nunes (PCP) criticou também a “demagogia” em torno desta questão, responsabilizando o PS pelas medidas que vêm penalizar os trabalhadores, as famílias e as empresas, enquanto que Jaime Silva (MPT) declarou que “o que salva estes governantes é os portugueses serem um povo de brandos costumes, mas que está a perder a paciência”.

“Entendemos a intenção deste voto”, disse o líder parlamentar socialista, André Escórcio, sublinhando que o país está “confrontado com uma situação muito grave, mas que o Governo Regional dispõe de instrumentos que pode ativar para atenuar os efeitos mais gravosos” deste plano de austeridade.

Elvio Encarnação, do PSD, referiu que esta iniciativa demonstra que o BE “ignora a realidade, que acabou o tempo das vacas gordas e é preciso um novo ciclo, sendo urgente a adoção de medidas excecionais”, pelo que a posição do PSD “demonstra um alto sentido de responsabilidade”.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Funchal – PND realiza acção política na 5ª feira


Gil Canha fala aos jornalistas frente à Câmara do Funchal


Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

O Partido da Nova Democracia (PND) realiza, a 17 de Junho, pelas 14h30, uma acção política em frente do edifício da Câmara Municipal do Funchal. O vereador Gil Canha prestará, na oportunidade, declarações à Comunicação Social.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

FORÇA SELECÇÃO!

Personificada no Miguel Veloso, uma simpatia de pessoa, nada vedeta como outros...

terça-feira, 1 de junho de 2010

O MELHOR ERA EXTERMINÁ-LOS, COMO FIZERAM OS NAZIS!

Coito Pita desafia o PS-M a aceitar rever a lei eleitoral para afastar do parlamento "partidos como o PND"




O PSD-M vai apresentar um requerimento para a constituição de uma comissão de inquérito para "avaliar o comportamento dos orgãos de comunicação social na violação dos direitos da maioria". A promessa foi feita por Coito Pita, durante o debate de uma proposta do BE para revisão do estatuto da oposição que permita que os partidos com um único deputado possam promover a realização de debates parlamentares com a presença do Governo Regional.

Coito Pita e o líder parlamentar do PSD-M, Jaime Ramos, garantiram que o actual regimento da ALM e o Estatuto Politico-Administrativo dão poderes aos partidos da oposição muito superiores aos que se verificam noutros parlamentos. Toda a oposição lembrou que a Assembleia Legislativa não cumpre a sua função de fiscalização do Governo, uma vez que o Executivo, pura e simplesmente, não se desloca ao parlamento.

O deputado do PSD-M aproveitou a intervenção para assumir que o seu partido quer rever a lei eleitoral regional e para desafiar o PS-M a associar-se a uma proposta que altere a composição do parlamento. Coito Pita foi claro ao afirmar que "a existência do BE é importante para a Madeira",mas que "não é razoável que a democracia permita que um partido do tipo do PND exista e tenha voz parlamentar".

domingo, 30 de maio de 2010

UM FIM DE SEMANA MUITO FELIZ PARA SÓCRATES

Este foi um fim de semana muito feliz para Sócrates: Em poucas horas esteve com dois grandes amigalhaços.

Primeiro com o ditador da Venezuela, que está a conseguir levar o seu país da pobreza onde estava até ao tempo das cavernas. Com efeito electricidade é uma coisa que falta cada vez mais na Venezuela, isto num país que é um dos principais exportadores de petróleo. Mas como o petróleo só depois de refinado se poderá eventualmente converter em electricidade e o dinheiro da venda do petróleo bruto vai desaparecendo misteriosamente, há racionamento de electricidade! Um exemplo a seguir!

Depois, ainda teve um encontro com o Bokassa da Madeira, como lhe chamou o seu amigo Gama, que em matéria de despesismo ainda lhe pode ensinar algumas coisas!

Um fim de semana em cheio!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

ESPELHO ÍNTIMO - TORQUATO DA LUZ


Foi hoje apresentado em Lisboa o novo livro do poeta e jornalista Torquato da Luz: "Espelho Íntimo". Publicado pela nóvel editora o cão que lê, em cuidada edição, coube a Inês Ramos a declamação de alguns dos poemas que o constituem dos quais destaco os dois que reproduzo.

ESTE PAÍS

Esta ideia de não valer a pena,
esta dúvida antiga e permanente,
esta raiva que insiste em ser presente,
este ar pesado que tudo envenena

Este agitado mar que não serena,
esta fria manhã, outrora quente,
esta lâmina fina e persistente,
esta dor que deixou de ser pequena

Este grito que nunca mais desata,
este nó apertado na garganta,
esta fome que é tanta, tanta, tanta,
este país amado que me mata.

A apresentação esteve a cargo de João Gonçalves, do blogue PORTUGAL DOS PEQUENINOS, que esteve igual a si próprio, polémico e sem papas na língua. Destacou a faceta de jornalista do autor, lamentando por um lado que Torquato da Luz já não "exerça" e por outro lado que já não existam jornalistas como ele, capazes de opinar e não apenas reprodutores de trivialidades. Criticou também o "meio" literário e poético português, constituído por meia dúzia de indivíduos que se protegem uns aos outros tecendo mutuamente loas, à vez...




POR ORA

Por ora ainda é possível desenhar
as letras da palavra liberdade
e uma a uma afixá-las no lugar
mais alto e arejado da cidade.

Por ora ainda é possível agitar
uma bandeira, desfraldar um grito,
como quem se debruça sobre o mar
e olha da varanda o infinito.

Por ora ainda é possível perseguir
o dia que algum dia há-de chegar.
Por ora ainda é possível resistir.
Por ora ainda nos deixam respirar.

Parabéns caro Torquato por mais esta magnífica obra e por não esquecer os amigos, como o nosso Jorge, que recordou em breve conversa que teve comigo. Felicidades! 
 
Free counter and web stats
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!